EDP bate recorde na Comercialização e reforça investimentos em Distribuição

28/02/2018
EBITDA Ajustado da Empresa aumentou 21,7% em relação a 2016, totalizando R$ 2,1 bilhões

São Paulo, 28 de fevereiro de 2018 – O Lucro Líquido Ajustado* da EDP, empresa que atua em todos os segmentos da cadeia elétrica, somou R$ 570 milhões em 2017, uma alta de 89,4% frente ao registrado em 2016. O EBITDA (lucro antes de taxas, impostos, depreciação e amortização) Ajustado, por sua vez, apresentou aumento de 21,7%, alcançando R$ 2,1 bilhões.

Já no quarto trimestre, o  EBITDA  Ajustado  da  Companhia  totalizou  R$ 551,4 milhões, 37,9% a mais do que no mesmo período de 2016. O Lucro Líquido Ajustado chegou a R$ 188,2 milhões, 380% maior na comparação anual.

Para os resultados, contribuíram também os números recordes da Comercialização. O volume de energia comercializada teve um crescimento de 37,2% em relação ao ano anterior, com uma expansão na Margem Bruta de R$ 141,7 milhões.

No ano passado, a EDP alcançou também importantes marcos no controle de custos e na manutenção dos gastos gerenciáveis. O balanço anual apresentou uma redução de 0,4% dos gastos com Pessoal, Material, Provisões e Outros (PMSO), abaixo da inflação.

“O ano de 2017 foi marcado pela expansão de nossos negócios para novas geografias e novos segmentos, com o desenvolvimento de tecnologias pioneiras. Os resultados que registramos são sólidos e nos levam a encarar o ano de 2018 com otimismo”, avalia o presidente da EDP Brasil, Miguel Setas.

Para este ano, a EDP prevê investimentos de R$1,4 bilhão, aumento de 27,8% em relação ao mesmo período. Do valor total, R$ 630 milhões serão investidos no segmento de Distribuição do Grupo.

* Foram descontados os valores referentes à venda da Pantanal Energética, à contabilização do recebimento do seguro na UTE Pecém, e à atualização do ativo financeiro indenizável da EDP Espírito Santo, que aconteceram em 2016. No ano passado, desconsiderou-se a reversão da provisão realizada para o pagamento do Encargo Hídrico Emergencial do Ceará.


Reforço dos investimentos em distribuição

A EDP manteve o seu compromisso com a qualidade do fornecimento de energia nas áreas de concessão, investindo cerca de R$ 570 milhões em melhorias nas redes, volume 18,3% superior ao de 2016. A maior parte dos recursos foi destinada ao plano de obras de linhas e subestações, além do programa de combate às perdas.

A Empresa investiu ainda em suas ações de recuperação de inadimplentes, apresentando uma redução de R$ 17,9 milhões em sua Provisão para Devedores Duvidosos (PDD) na comparação anual. As iniciativas de renegociação de consumidores, visando a recuperação de clientes e evitando possíveis perdas, e as iniciativas de aperfeiçoamento de cobranças foram cruciais para o resultado.

Recentemente, a EDP assinou um contrato para aquisição de participação na Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina). A partir da conclusão desta transação e da Oferta Pública de Ações (OPA) Voluntária, a Companhia poderá chegar a 33,6% do capital total da distribuidora.

 

Novo ciclo de crescimento rentável

O ano de 2017 representou para a EDP o início de um novo ciclo de crescimento para as operações, que ampliou sua presença geográfica de nove para 12 estados brasileiros. Maior vencedor do Leilão de Transmissão organizado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) em abril, o Grupo assumiu o compromisso de investir R$ 3,1 bilhões até 2023 na construção de 1,3 mil quilômetros de linhas e quatro subestações em Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Maranhão.

No estado capixaba, o projeto está adiantado sete meses em relação ao cronograma de licenciamento. Em fevereiro de 2018, a Empresa obteve a Licença de Instalação e as obras já foram iniciadas, prevendo-se uma antecipação adicional de 10 meses no cronograma de construção, face ao prazo contratual de agosto de 2020.  

O empreendimento compreende 113 quilômetros de linha, entre Linhares e São Mateus, e uma subestação de 150 MVA em São Mateus. O investimento total estimado para a implantação dos ativos é de R$ 116 milhões, com a geração de cerca de 300 empregos diretos no período de pico.

 

Execução superior

Em um ano marcado por um cenário hidrológico adverso, a EDP mitigou parte dos riscos relativos à gestão energética de suas usinas hidrelétricas. Prevendo uma piora dos impactos causados pelos altos preços do Mercado Livre, a Empresa adotou uma estratégia de ampliação da sua parcela de fornecimento sem contratos fixos, liberando parte de sua energia gerada para cobrir qualquer necessidade e evitar possíveis perdas. Além disso, com os resultados da comercializadora, a Companhia conseguiu reduzir em R$ 627 milhões os efeitos do cenário hidrológico mais desafiador.

Outra conquista importante foi atingida na UTE Pecém I, que registrou melhorias operacionais e apresentou o mais alto Lucro Líquido anual de sua história, de R$ 74 milhões. A disponibilidade média da usina chegou à máxima histórica de 92% em 2017, ultrapassando a meta regulatória, de 90%.

No quarto trimestre, à semelhança do que foi alcançado nas usinas de Santo Antônio do Jari e Cachoeira Caldeirão, também ocorreu a entrada da primeira Unidade Geradora da UHE São Manoel (parceria entre EDP, Furnas e CTG Brasil), antecipada em quatro meses em relação ao contrato assinado em leilão. Em janeiro de 2018, a segunda turbina iniciou sua operação comercial. A terceira unidade já está em teste e a quarta encontra-se em fase final de montagem.

 

Liderança em Sustentabilidade e Inovação

A EDP foi pioneira em um de seus projetos mais inovadores no setor de Utilities no Brasil: a implementação da automação e da robotização de processos administrativos. O Grupo previa ter 40 robôs até o final de 2017, mas ultrapassou a meta e hoje conta com 46 sistemas que auxiliam as atividades internas e promovem ganhos qualitativos de eficiência. Para 2018, o objetivo é atingir mais de 100 processos robotizados.

Outro ponto de destaque é o investimento da Companhia desde 2015 no “Projeto Cultura”, o engajamento da EDP no Brasil subiu pelo terceiro ano consecutivo, para 84%, comparável com os 75% que representam a média dos melhores grupos da amostra do Estudo. Adicionalmente, foi eleita, pelo segundo ano consecutivo, como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar da revista Você S.A.

Por outro lado, está o compromisso com a responsabilidade socioambiental que a EDP, pelo décimo segundo ano consecutivo, foi selecionada para integrar a 13ª Carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3, antiga BM&FBovespa, com pontuação máxima em cinco das sete dimensões consideradas pela listagem.

A Companhia continuará investindo em cultura, como já tem feito com a Recuperação do Museu da Língua Portuguesa. A Empresa ampliou seu apoio à valorização do idioma, com o patrocínio à Festa Literária Internacional de Paraty – FLIP e a exposição itinerante “A Energia da Língua Portuguesa”.

voltar para notícias